Ká Amubá – Promoção de Tecnologias de Economia Solidária em áreas de Quilombos, no Maranhão

Brasil: Estado do Maranhão (Maranhense dos Cocais, Baixo Parnaíba, Lençóis e Munin e Vale do Itaperucu)

Há 9 anos a intervir continuamente na região, o IMVF adquiriu um conhecimento próximo da realidade local. Numa aposta clara de colmatar vulnerabilidades ainda existentes, limitadoras de um progresso sustentável, o novo “Promoção de Tecnologias de Economia Solidária em áreas de Quilombos, no Maranhão” vem dar resposta a um apelo direto das comunidades de Quilombolas do Maranhão e, em particular, do principal parceiro local, a ACONERUQ – Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão. 

 

BENEFICIÁRIOS:

Diretos: 300 Quilombolas (agricultores, criadores pecuários e extractivistas) das regiões do Estado do Maranhão acima referidas; 20 Quilombolas beneficiários do eixo de capacitação de técnicos agrários e sociais.

Indiretos: 1500 famílias e respetivas comunidades, cerca de 5390 pessoas.
 

 

OBJETIVOS:

Geral: Contribuir para a redução da pobreza e para a promoção do desenvolvimento socioeconómico das comunidades Quilombolas do Estado do Maranhão, contribuindo para o alcance das metas estabelecidas pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, designadamente o 1,3,4,5 e 7.

Específico: Promover o aumento da geração de renda familiar e a melhoria das condições de salubridade das comunidades rurais Quilombolas do Maranhão, apostando no reforço das atividades produtivas locais com base em princípios de economia solidária e inclusão social.

 

ATIVIDADES:

Este projeto pretende

Resultado esperado 1: Reforçar a capacidade de produção, transformação e comercialização de produtos locais.
Atividade 1: Capacitação do setor produtivo
A1.1: Elaboração de um diagnóstico socioeconómico;
A1.2: Apoio à criação de uma Cooperativa Agroextractivista Quilombola;
A1.3: Apoio à criação e equipamento de unidades de produção descentralizadas;
A1.4: Capacitação de técnicos agrários locais;
A1.5: Introdução de novas técnicas de produção adaptadas à transformação

Resultado esperado 2: Aumentar a capacidade de escoamento de produtos locais Quilombolas.
A2: Valorização dos produtos Quilombolas nos mercados locais;
A2.1: Capacitação dos agricultores em técnicos de transformação, gestão e comercialização;
A2.2: Incorporação de um selo Quilombola;
A2.3: Apoio à melhoria do acondicionamento dos produtos para venda;
A2.4: Criação de sinergias comerciais com entidades locais;
A2.5: Promoção de intercâmbios com experiências similares no Brasil.

Resultado esperado 3: Reforçar o papel da sociedade civil local para a promoção de uma sociedade mais inclusiva e igualitária.
A3: Capacitação da sociedade civil local;
A3.1: Formação de animadores sociais em gestão e coordenação cooperativista;
A3.2: Capacitação das associações Quilombolas para uma gestão dos recursos naturais mais eficiente.

Resultado esperado 4: Melhorar as condições de salubridade das comunidades Quilombolas.
A4: Melhoria das condições de salubridade nas comunidades Quilombolas;
A4.1: Criação do Fundo Social no seio da Cooperativa;
A4.2: Instalação de kits sanitários;
A4.3: Sessões de educação para saúde.

A5: Acompanhamento e avaliação.

 

PARCEIRO:

  • ACONERUQ – Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão