Sem Barreiras

São Tomé e Príncipe 

O projeto Sem Barreiras surge como resultado das missões de especialidade de Otorrinolaringologia, levadas a cabo pelo Prof. Dr. João Paço, no âmbito do programa Saúde para Todos, durante as quais foi identificada a necessidade de uma intervenção integrada com terapia da fala e língua gestual para a melhoria da qualidade de vida da comunidade surda na República Democrática de São Tomé e Príncipe.

Em complementaridade com o programa Saúde para Todos, o projeto Sem Barreiras compreende três domínios de ação, designadamente: (i) a deteção e tratamento da surdez, quando possível (ii) o ensino e aprendizagem de uma língua de modalidade visual, quando a surdez não é medicamente tratável e (iii) a capacitação de formadores são-tomenses para, em ambiente escolar e devidamente enquadrados na carreira docente e no currículo escolar, disseminar, proteger e promover essa mesma língua criada.

O projeto Sem Barreiras resulta de um trabalho conjunto entre o Ministério da Saúde e Assuntos Sociais e Ministério da Educação, Formação e Cultura de São Tomé e Príncipe, o Instituto Marquês de Valle Flôr, a equipa de coordenação da área clínica de Otorrinolaringologia do Programa Saúde Para Todos e a Universidade Católica Portuguesa, através do Instituto de Ciências da Saúde.

BENEFICIÁRIOS:

Grupo-alvo: crianças em idade escolar diagnosticadas com surdez;
Beneficiários diretos: 6 formadores de Língua Gestual, fruto de um eixo de capacitação e formação intensiva.

OBJETIVOS:

Global: contribuir para a melhoria da qualidade de vida da comunidade surda em São Tomé e Príncipe.

Específicos: prevenção e combate à surdez e ao isolamento do deficiente auditivo em São Tomé e Príncipe, através da crescente autonomização e pleno desenvolvimento das crianças surdas em idade escolar, da criação e disseminação da Língua Gestual são-tomense e do reforço de capacidades das escolas e unidades de saúde na assistência à comunidade surda.

ATIVIDADES:

Resultado Esperado 1: Língua Gestual São-Tomense criada e oficialmente reconhecida;
RE2: Formadores de Língua Gestual São-Tomense capacitados;
RE3: Língua Gestual São-Tomense integrada no currículo do ensino especial;
RE4: Rastreio auditivo neonatal universal integrado no Plano Nacional de Saúde;
RE5: Rastreio cognitivo das crianças que são dadas como surdas;
RE6: Próteses colocadas nas crianças com perda de audição.
RE7: Capacidade de multiplicação do projeto-piloto a nível nacional promovida
Atividade prevista 1: Criação da Língua Gestual São-Tomense;
A2: Assegurar a formação adequada no âmbito da Surdez e das línguas gestuais a docentes santomenses;
A3: Assegurar a formação em língua gestual às crianças santomenses surdas;
A4: Integração da Língua Gestual no ensino especial;
A5: Adquirir os equipamentos e materiais didáticos auxiliares para a formação em língua gestual Santomense contemplados neste projeto e previstos no seu orçamento;
A6: Integração de Rastreio Auditivo Neonatal Universal no Plano Nacional de Saúde;
A7: Rastreio áudio-fonológico para as crianças com diminuição da acuidade auditiva;
A8: Rastreio cognitivo das crianças sinalizadas com surdez;
A9: Monitorização e Avaliação da Intervenção;
A10: Assessoria à autonomização da Intervenção.

PARCEIROS:

  • Ministério da Saúde e Assuntos Sociais,
  • Ministério da Educação, Formação e Cultura de São Tomé e Príncipe,
  • Universidade Católica Portuguesa,
  • Instituto das Ciências da Saúde,
  • Grupo José de Mello Saúde,
  • CUF Infante Santo.