O 1.º Congresso Internacional “Cacau de Qualidade e Agrofloresta”, organizado no âmbito do projeto “Territórios Sustentáveis para a Paz em Caquetá“, teve lugar no dia 22 de outubro de 2018, na Universidade da Amazónia, na cidade de Florencia, Departamento de Caquetá, na Colômbia.

Neste encontro foram apresentadas boas-práticas sustentáveis e perspetivas inovadoras de produção e de transformação do cacau, bem como casos de sucesso a nível nacional (Colômbia) e internacional, com o objetivo de criar espaços de debate e de troca de experiências na área entre os produtores da região.

De destacar a participação dos oradores Pedro López, engenheiro florestal, da Universidade de Brasília e do Movimento de Agroflorestores de Inclusão Sintrópica (MAIS) e de Adalberto Ferreira, diretor da Cooperativa de Exportação de Cacau de Qualidade (CECAQ) de São Tomé e Príncipe. A nível nacional, de realçar a participação de Juan Carlos Suárez, da Universidade da Amazónia e de Armando Sterling, do Instituto Amazónico de Investigação Científica (SINCHI).

Este congresso foi dirigido a todos os interessados pelo mundo do cacau, tanto especialistas, como curiosos, tendo contado com a participação de produtores, académicos, associações produtivas e da cooperação internacional. Neste encontro foram abordados diversos aspetos técnicos sobre o cacau de um ponto de vista eco sistémico, de qualidade e nutracêutico.

O projeto Territórios Sustentáveis para a Paz em Caquetá pretende contribuir para o estabelecimento de uma paz estável e duradora na Colômbia, através do fortalecimento do desenvolvimento socioeconómico e ambiental dos territórios amazónicos, e melhorar, em conjunto com as entidades territoriais e as organizações sociais, a capacidade local para a produção, transformação e comercialização de cacau fino e aroma e produtos associados, de forma rentável e competitiva, em territórios afetados pelo conflito armado, numa lógica de conservação do meio ambiente, inclusão social e promoção de uma cultura de paz e legalidade.

O projeto conta com o financiamento da União Europeia, sendo cofinanciado pelo Camões, I.P., pela governação local do Departamento de Caquetá e das Alcadias de Montañita e El Paujil, e por empresas privadas portuguesas presentes na Colômbia, tais como a Mota-Engil. É implementado pelo IMVF e pela Red Adelco, parceiro local.