Criada no âmbito do projeto Nô Fia Na Crias – Sistema Integrado Cooperativo e Comunitário de Produção Avícola, Caprina e Derivados para a Região de Cacheu, na Guiné-Bissau, a empresa avícola Piu Piu Awara foi registada no dia 30 de maio e oficialmente apresentada no dia 31 de outubro de 2018, e funciona numa área anexa à sede da COAJOQ – Cooperativa Agropecuária de Jovens Quadros, em Canchungo, na região de Cacheu.

A empresa Piu Piu Awara comercializa frangos e ovos ao consumidor final, e fá-lo diretamente ao cliente individual, bem como através de comerciantes e restaurantes locais. A empresa dispõe de um conjunto de ativos essenciais ao seu modelo de negócio: galinhas poedeiras; incubadora com capacidade para 750 ovos; 2 aviários com capacidade para criar 5.000 frangos em simultâneo, dispondo de um sistema de água e luz automático com recurso a energia solar; um centro de abate e processamento com loja e uma área de frio; e uma viatura 4×4 com arca frigorífica.

Quando o projeto arrancou, em 2015, não havia nenhum apoio à fileira avícola no país. É ainda necessário recorrer à importação de insumos estratégicos, como pintos de dia e ração para as diferentes fases, nomeadamente no Senegal. A equipa da Piu Piu Awara, de forma autónoma, gere a aquisição de todos os insumos de que necessita para aplicar o calendário de produção definido com base na procura.

“A iniciativa de criar a empresa surgiu porque ainda não existia um centro especializado para a comercialização e venda de frangos na Guiné-Bissau”, refere Leandro Pinto Júnior, diretor executivo da COAJOQ. “A empresa Piu Piu Awara, com uma gestão autónoma, tem como objetivo fornecer frangos abatidos no centro de processamento e abate, com as devidas condições de higiene e saneamento por pessoal qualificado”.

A empresa Piu Piu Awara introduziu melhorias no sistema de ração avícola para as três fases de crescimento do frango com recurso a insumos produzidos pelos camponeses nas áreas abrangidas pelo projeto. De destacar a capacidade de produção de um frango com cerca de 1,8 kg em 38 dias. A introdução de milho, entre outros insumos locais, reduz as matérias mais gordas da ração, mantendo o crescimento de peso necessário a partir do 14.º dia.

Os principais clientes da empresa são a Aldeia SOS Criança, alguns restaurantes sedeados em Canchungo e Cacheu, a Escola Ebenezer, alguns pontos focais para o comércio de frangos e galinhas nas feiras semanais (lumos), e ao nível do consumidor final estão incluídos funcionários locais e expatriados de diversas ONG e instituições em Bissau.

 “A empresa vai criar confiança junto dos consumidores, restaurante e hotéis, na medida em que possam ser os clientes finais da empresa”.

A par da área de negócio virada para a produção de carne de frango e ovos, o projeto apoiou a melhoria da produção avícola a nível familiar, através da criação de 185 pequenas explorações de base, da introdução de raças melhoradas, da assistência sanitária com uma rede de paraveterinários, e da formação em maneio avícola e alimentar.

O projeto Nô Fia na Crias teve como principal objetivo contribuir para a segurança alimentar e nutricional ao encontro da soberania alimentar na região de Cacheu através do estabelecimento da fileira de produção avícola e caprina sustentável. Foi implementado entre julho de 2015 e outubro de 2018 pelo IMVF, pela COAJOQ e pela AD – Acção Para o Desenvolvimento, e cofinanciado pela União Europeia e pelo Camões, I.P.