O Ministério da Educação, Cultura e Ciências (MECC) de São Tomé e Príncipe e o projeto ERGUES – Ensino e Reforma da Governação Educativa em São Tomé e Príncipe, financiado pela Cooperação Portuguesa, promoveram, na tarde do dia 16 de maio, no Centro Cultural Português, o Debate “Acordo Ortográfico (AO) no Sistema Educativo São-Tomense: Sim ou Não?”.

Este evento, que contou com a presença da Senhora Ministra da Educação Cultura e Ciências, Isabel Abreu, e de representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros de STP, Abigail Tiny, teve como objetivo promover a reflexão e partilha de experiências relativamente aos desafios da introdução do AO no sistema educativo são-tomense e ouvir a opinião de diferentes atores na sua aplicação à revisão/atualização dos livros e materiais didáticos que o projeto ERGUES está a realizar.

O debate teve como oradores são-tomenses Fernanda Pontífice (Universidade Lusíada de STP) e Manuel Neto (Universidade de STP), e como oradores das instituições portuguesas parceiras do projeto Madalena Teixeira (Universidade de Aveiro), Paulo Costa (Universidade de Évora) e Inês Cardoso (Instituto Politécnico de Santarém), estes últimos partilhando a sua experiência relativamente à introdução do AO no sistema educativo português.

A audiência, de cerca de 80 participantes, incluiu: elementos das direções centrais do MECC, professores e alunos da USTP, membros do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), docentes/investigadores das instituições de ensino superior portuguesas parceiras do ERGUES, entre outros.

Este debate foi motivado pela atividade de “Revisão/atualização de livros didáticos do Ensino Básico e Secundário, da 1.ª à 12.ª classes”, incluída no Eixo 2 do ERGUES, na qual têm emergido diversas questões relacionadas com a língua portuguesa que requerem tomadas de decisão e fornecimento de orientações às equipas de trabalho, compostas por agentes educativos são-tomenses e por docentes/investigadores portugueses. Uma delas prende-se, precisamente, com a utilização – ou não – do AO nos livros didáticos a rever/atualizar, tendo ficado patente nas diversas intervenções, incluindo no discurso final da Senhora Ministra, que a resposta à pergunta “Acordo Ortográfico (AO) no sistema educativo são-tomense: sim ou não?” deverá vir a ser positiva.

O projeto ERGUES tem como objetivo geral contribuir para a melhoria da qualidade, da equidade e da inclusão no sistema educativo de São Tomé e Príncipe, atuando em 4 eixos de intervenção: ensino técnico-profissional de dupla certificação, materiais didáticos digitais para o ensino básico e secundário, formação de professores e investigação em educação e reforço da capacidade institucional do Ministério da Educação.

O ERGUES – Ensino e Reforma da Governação Educativa em São Tomé e Príncipe é financiado pela Cooperação Portuguesa, através do Camões, I.P., e coordenado e cofinanciado pela Associação Marquês de Valle Flôr (AMVF) e pelo Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF). Tem como parceiros de implementação e cofinanciadores a Universidade de Aveiro (UA), a Universidade de Évora (), o Instituto Politécnico de Santarém (IPSantarém) e a Universidade Católica Portuguesa (UCP), e como parceiros de implementação e beneficiários o Ministério da Educação, Cultura e Ciências de São Tomé e Príncipe (MECC) e a Universidade de São Tomé e Príncipe (USTP).

 

Spread the love