Projeto Descentralizado de Segurança Alimentar em São Tomé e Príncipe (PDSA/STP) – Fase II

São Tomé e Príncipe

O projeto procura dar resposta à necessidade de criar mercados para a produção local e, ao mesmo tempo, garantir a alimentação adequada nas crianças das creches e escolas primárias do país, sendo o resultado de um trabalho de identificação de necessidades participativo entre várias organizações e do trabalho com os produtores e transformadores locais.

Beneficiários:

Diretos: 600 produtores e transformadores e 20 organizações da Rede da Sociedade Civil para a Segurança Alimentar e Nutricional- RESCSAN. Como beneficiários finais espera-se que a ação beneficie cerca de 40.200 crianças que participam no Programa de Alimentação e Saúde Escolar através do aumento de produção nacional.

Indiretos: Generalidade da população de S. Tomé e Príncipe.

Objetivos:

Geral: Contribuir para a segurança alimentar e nutricional da população em São Tomé e Príncipe.

Específico: Valorização da produção nacional, criando mercado para o seu escoamento.
 

Atividades:

Resultado esperado 1: Dinamização da fileira da mandioca enquanto veículo de promoção da segurança alimentar.
Atividade 1.1: Estudo sobre produção de mandioca;
A1.2: Consolidação da Cooperativa Nova Luz e Cooperativa Terreiro Velho;
A1.3: Assistência técnica aos produtores de mandioca;
A1.4: Apoio à criação de canais comerciais;
A1.5: Intercâmbios sub-regionais.

Resultado esperado 2: Reforço do fornecimento nacional de produtos ao Programa Nacional de Alimentação e Saúde Escolar.
A2.1: Definição de um Programa de Aquisição de Alimentos com o Programa Alimentar Mundial PAM e Programa Nacional de Alimentação e Saúde Escolar;
A2.2: Criação de Centros de Abastecimento;
A2.3: Unidade de Produção Comunitária Príncipe;
A2.4: Apoio ao Programa Nacional de Nutrição;
A2.5: Intercâmbios. 

Resultado esperado 3: Dinamização de tecnologias inovadoras para a promoção da segurança alimentar. 
A3.1: Unidade de transformação tomate;
A3.2: Unidade de transformação de óleo coco Príncipe;
A3.3: Apoio à transformação de pescado.

Resultado esperado 4: Dinamização dos espaços de concertação política entre Estado e sociedade civil no domínio da segurança alimentar.
A4.1: Criação do Conselho Alargado de Monitorização do Projeto;
A4.2: Assistência técnica na implementação da nova Estratégia Nacional de Segurança Alimentar;
A4.3: Apoio ao funcionamento da Rede Nacional da Sociedade Civil para a Segurança Alimentar e Nutricional de S. Tomé e Príncipe, RESCSAN.

Parceiros:

  • Federação das ONG de São Tomé e Príncipe (FONG)