Saúde para Todos: Fase de Transição

São Tomé e Prícipe

Não obstante os resultados bastante positivos alcançados nas últimas décadas, para os quais muito terá contribuído o Programa Saúde Para Todos, a complexidade, as exigências e as necessidades do sector continuam a representar um desafio exigente para todos os atores envolvidos. A consolidação da prestação de cuidados de saúde de qualidade e a garantia de sustentabilidade de um sistema nacional de saúde, sobretudo num país com as características, recursos, fragilidades, mas também com as potencialidades de São Tomé e Príncipe, não se concretiza facilmente. Exige um esforço contínuo, gradual e progressivo que considere as diferentes determinantes de desempenho e eficácia do sector – formativa, operacional, de gestão, coordenação, assistencial e financeira. Atualmente, importa completar e consolidar a prestação dos cuidados de saúde nos diversos âmbitos e níveis e, ao mesmo tempo, zelar pela sua sustentabilidade técnica e financeira.

Beneficiários:

  • A totalidade da população são-tomense, cerca de 187 3561 habitantes enquanto utilizadores do Serviço Nacional de Saúde;
  • Cerca de 590 profissionais do Serviço Nacional de Saúde (entre eles 60 médicos; 348 enfermeiros; 50 técnicos de laboratório; 53 técnicos de farmácia; 42 microscopistas; 11 técnicos de estatística; 6 técnicos de nutrição e 23 outros técnicos de saúde) a beneficiar das ações de formação no país e via telemedicina;
  • Ministério da Saúde através do apoio nas atividades de prestação de cuidados no país.

Objetivos:

Geral: contribuir para manter o acesso universal da população da República Democrática de São Tomé e Príncipe a cuidados de saúde de qualidade.

Específico: garantir a continuação dos apoios na prestação dos cuidados preventivos, primários e especializados no país durante uma fase de transição de 6 meses.

Atividades:

Resultados esperados:

  • População nacional com acesso regular e de qualidade a cuidados de saúde especializados;
  • Formação de quadros nacionais nas especialidades médicas promovida;
  • Estruturas de saúde dotadas de meios adequados a uma prestação de cuidados de saúde preventivos e primários de qualidade;
  • Programas Nacionais reforçados e aptos a responder às exigências do perfil epidemiológico nacional.

Parceiros:

Ministério da Saúde e dos Assuntos Sociais de São Tomé e Príncipe