Building a Future: Make it in the Gambia é o mais recente projeto do IMVF.  

Este programa é financiado pelo Fundo Fiduciário da União Europeia para África (EUTF for África), dedicado às causas profundas da migração irregular e pessoas deslocadas em África e que visa contribuir para a estabilidade e melhor gestão da migração.

A componente atribuída a Portugal foi promovida e apresentada pelo Camões, I.P., estando a sua execução a cargo do IMVF. Este é o primeiro projeto a ser implementado por uma ONGD portuguesa no âmbito do EUTF, do qual Portugal é membro fundador.

É implementado conjuntamente por 3 Estados Membros da União Europeia – Alemanha, Bélgica e Portugal -, em parceria com o International Trade Center e a GK Partners. O IMVF assegurará a implementação da componente do programa atribuída à Cooperação Portuguesa, em parceria com a Agency for the Development of Women & Children (ADWAC), parceiro local, Alianza por la Solidaridad (Espanha) e United Purpose (Reino Unido).

Com um financiamento global de 23 milhões de euros, Building a Future: Make it in the Gambia terá a duração de 3 anos (de janeiro de 2019 a dezembro de 2021), e terá 13.000 beneficiários, em particular jovens e mulheres.

O objetivo geral da ação desenvolvida pelo IMVF é contribuir para o desenvolvimento socioeconómico das zonas rurais e fomentar oportunidades para a população residente e para os emigrantes retornados, nomeadamente nas regiões Central River, North Bank, Lower River and Upper River.

Os objetivos específicos da ação são: impulsionar o desenvolvimento económico através da dinamização de oportunidades de emprego e da geração de rendimento; melhorar a atratividade das zonas rurais e promover um ambiente socioeconómico favorável a uma reintegração efetiva e sustentável de antigos emigrantes.

A dinamização de cadeias de valor de agronegócio sustentáveis e o reforço da coesão social, nas zonas rurais são os principais resultados esperados desta ação.

A ação desenvolvida pelo IMVF conta com o financiamento de 5 milhões de euros da União Europeia.

Com este projeto, o IMVF alarga, assim, pelo 2.º ano consecutivo a sua intervenção a uma nova geografia, desta vez africana.