A biodiversidade vegetal do território amazónico da região de Caquetá, na Colômbia caracteriza-se pela existência de importantes espécies de plantas aromáticas. Muitas destas plantas têm sido, historicamente, utilizadas segundo o saber tradicional das várias comunidades caqueteñas – campesinos e comunidades rurais, indígenas e combatentes. As suas propriedades terapêuticas e medicinais são, no caso de muitas delas, amplamente reconhecidas e utilizadas. No caso de outras, menos conhecidas, está ainda por explorar o potencial de comercialização em mercados especializados a nível nacional e internacional.

Os habitantes da zona de Água Bonita, no município de La Montañita reconhecendo este potencial, quiseram apostar na produção e transformação de plantas aromáticas. Partindo desta motivação, e com o apoio da equipa técnica do projeto, foram criadas parcelas para a produção de aromáticas. Será ainda criada uma unidade de transformação com um alambique para a produção de óleos essenciais a partir das plantas aromáticas cultivadas, que poderão depois ser aplicados na produção de cosméticos.

Neste contexto, realizou-se uma formação sobre produção de cosméticos naturais, com o objetivo de agregar valor à cadeia produtiva e mostrar alternativas sustentáveis para a geração de rendimentos. As participantes aprenderam a produzir sabão, perfume, repelente, bálsamo labial, ambientadores e velas aromáticas. São utilizados óleos essenciais de plantas aromáticas locais, das quais se destacam a pronto alívio (Lippia alba – espécie próxima da erva cidreira), erva-príncipe (Cymbopogon citratus), citronela (Cymbopogon nardus), manjericão (Ocimum basilicum) e sacha inchi (Pluketenia volubilis.). Estes óleos essenciais são aplicados de acordo com as suas propriedades e benefícios cientificamente comprovados, destacando a função específica em cada um dos produtos finais obtidos. Foram ainda exploradas as oportunidades de ligação a outras cadeias produtivas promovidas pelo projeto, através da obtenção de subprodutos do cacau, cana de açucar, canangucha e sacha inchi, que podem constituir matérias primas para a elaboração de cosméticos. 

O grupo envolvido nesta iniciativa, constituído principalmente por mulheres, é composto por produtores que compõem o poblado Hector Ramirez (antigo Espaço Territorial de Capacitação e Reintegração), constituído por antigos combatentes das FARC, e por campesinos de comunidades circundantes. A constituição deste grupo assume assim um significado particular no contexto do projeto Territórios Sustentáveis para a Paz em Caquetá, ao promover a criação de espaços de diálogo e trabalho comunitário entre estes diferentes atores, contribuindo para a reconciliação social deste território após décadas de conflito.

O projeto Territórios Sustentáveis para a Paz em Caquetá é implementado pelo IMVF e pela Red Adelco e financiado pelo Fundo Fiduciário da União Europeia para a Paz na Colômbia, cofinanciado pelo Camões, I.P., e conta com contribuições da governação local do Departamento de Caquetá e dos municípios de La Montañita e El Paujil, bem como de empresas privadas portuguesas presentes na Colômbia.